Publicidade

  • Redação

Justiça nega prisão domiciliar e bolsonarista que matou petista irá para presídio




A Justiça do Paraná negou um pedido de prisão domiciliar para o policial bolsonarista Jorge Guaranho, acusado de matar o tesoureiro do PT Marcelo Arruda.


O homem deverá ser transferido para o Complexo Médico Penal assim que receber alta hospitalar.


 Segundo a decisão do juiz Gustavo Argello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu, no oeste do Pará, a prisão domiciliar só poderia ser concedida se Guaranho estivesse "extremamente debilitado por motivo de doença grave".


O homem deve ter alta nesta sexta (5). 

No dia 9 de julho, Guaranho invadiu a festa de aniversário de Marcelo e matou o homem a tiros.


O evento tinha o tema do Partido dos Trabalhadores (PT). Após ser baleada, a vítima revidou e atirou várias vezes contra Jorge, que também foi agredido após cair no chão.


Os advogados do bolsonarista alegaram que ele sofreu perda de memória em decorrência dos golpes e chutes que recebeu na cabeça.


Segundo Luciano Santoro, Guaranho levou 24 chutes no rosto e outros no tórax. Com isso, ele ainda não foi ouvido pela polícia. 


*Holanda

Publicidade