• Redação

Inflação dos alimentos: o que fazer para driblar os preços no mercado?




O brasileiro sabe: manter o padrão da alimentação está difícil.


O preço nas gôndolas dos supermercados não para de subir, e a qualidade ou quantidade do que vai para o prato fica comprometida.

Os números mais recentes da economia são desanimadores.


Dos 50 itens que mais encareceram no último ano, 34 são do gênero alimentício, como frutas e legumes. A cenoura, por exemplo, disparou 116%.


Mas ela não está sozinha. A abobrinha, o pepino, o melão, o café, o morango, o tomate, o mamão, a batata inglesa, o pimentão e a cebola também subiram expressivamente no último ano.


Os dados são do Índice de Preços no Consumidor (IPCA), usado para medir a inflação.


A pedido do Metrópoles, o educador e consultor financeiro Andrey Nousi selecionou dicas para driblar os altos preços dos alimentos.


O especialista, com mais de 20 anos de experiência e formação na Finlândia e na Holanda, afirma que é essencial organizar os gastos e planejar o que será comprado.

Publicidade

Publicidade