• Redação

Estudante faz alerta após ser atingida por ‘jato’ de loló em festa universitária


Uberlândia – A estudante Clara Sentanin, 23, fez um alerta por meio das redes sociais após ser atingida no olho por um líquido do entopercente conhecido como loló. A jovem afirmou que nunca usou o entopercente e agora se recupera de queimadura na córnea ocasionada durante uma festa universitária em Uberlândia, no último dia 13 de agosto.


A estudante do último período de Relações Internacionais da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) contou ao site UOL que, no momento do incidente, estava dançando com as amigas e o namorado. Na hora, ela acreditava que tinha sido atingida por bebida alcoólica.


“Não era uma festa grande e estávamos em um ambiente controlado. Sempre frequentei e nunca nada disso tinha acontecido. Era um open bar e estavam servindo bebidas alcoólicas normais. Em dado momento, eu senti do lado esquerdo do meu rosto um líquido. Na hora, achei que fosse bebida, porque é costume o pessoal jogar pra cima, mas então comecei a sentir muita ardência e dor”, relembra.


De acordo com Clara, a ardência e a dor nos olhos foram instantâneas, por isso, ela pediu ajuda das amigas e do namorado para levarem ela ao banheiro, onde lavou os olhos com água. No entanto a dro continuou e ela decidiu buscar ajuda médica quando descobriu que tinha sido atingida por loló. A estudante passou por quatro médicos que concordaram que a substância que caiu nos olhos dele era algo mais forte que bebida alcoólica.



“Uma bebida não teria queimado tanto. Pelo contexto de festa, começamos a suspeitar que fosse loló. Eu nunca usei isso, mas sei que é líquido e que as pessoas fazem com solventes químicos”, explicou Clara ao UOL.


Clara diz que seu olho esquerdo foi o mais atingido, mas que já está conseguindo se recuperar bem da lesão. Segundo ela, a queimadura é reversível e ela continua em tratamento para melhorar completamente. A estudane não registoru queixa sobre o caso, mas recebeu apoio da organização da festa. Organizadores garantiram à Clara que atenção será redobrada na fiscalização das festas.


Loló é o nome popular para um entorpecente preparado de forma clandestina com substâncias como clorofórmio e éter. Ele é um líquido utilizado como inalante e causa alucinações e agitação no usuário. A estudante resolveu compartilhar a história no Twitter e acabou recebendo mais mensagens de pessoas que passaram por situações semelhantes.


Com informações : D24am.



Publicidade

Publicidade