Publicidade

  • Redação

Empréstimo de R$ 300 mil para o genro pode ser motivo da morte de servidora em Manaus




MANAUS (AM) – Vazamentos de detalhes sobre as investigações da Polícia Civil (PC), em relação a morte da servidora pública federal, Silvanilde Ferreira Veiga, apontam novas supostas motivações do assassinato da vítima.


Dessa vez, depoimentos na sede da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) apontaram que a servidora do TRT-AM, teria realizado, a pedido da filha, um emprestimo no valor de R$ 300 mil reais, para fazer a quitação das dívidas da empresa do marido de Sthephanie Veiga (filha da vítima), identificado como Igor Gabriel, ao longo da pandemia de Covid-19.


Silvanilde estava prejudicada em sua renda, uma vez que, Igor não estava honrando com o pagamento das parcelas, fazendo assim, a diretora da 15ª Vara do Trabalho realizar cobranças, o que trazia discussão entre vítima, filha e genro.


De acordo com informações do site Manauara News, nos bastidores da Polícia Civil, já se aponta o casal como os principais suspeitos pelo crime.


A desconfiança é fortalecida por amigos e colegas de trabalho de Silvanilde, que devem ser ouvidos pela PC-AM.


O mesmo site ainda cita que Sthephanie possui um “temperamento forte”, e que eram constantes as brigas com a mãe.


Filha única, a nutricionista sempre teve o que queria e ostentava uma vida de luxo, com viagens e outras regalias, tudo bancado por Silvanilde.


As investigações da DEHS apontaram que no hall que dá acesso ao apartamento em que Silvanilde morava não é monitorado por câmeras, mas o circuito de segurança dos elevadores da torre devem auxiliar na elucidação dos fatos.


De acordo com a delegada Marília Campelo, adjunta da DEHS, o caso é “complexo”, uma vez que tudo que cerca a morte de Silvanilde “não é óbvio”.


COM INFORMAÇÕES TUCUMÃ


Publicidade