Publicidade

  • Redação

Eleições 2022 | Debilitado, Amazonino deve não sair as ruas em campanha


Por: Moisés Dutra


O ex-governador Amazonino Mendes (CIDADANIA), deve não sair as ruas nessa eleição. O estado de saúde do político que é candidato ao governo do Amazonas, inspira cuidados e seu médico particular teria pedido cautela ao comando da campanha.


Amazonino tem 84 anos, é hipertenso, diabético e com o avançar da idade, desenvolveu neuropatia diabética (A neuropatia diabética é uma complicação do diabetes, que afeta os nervos periféricos [das extremidades, como mãos e pés]. No estágio inicial, a neuropatia diabética pode não causar nenhum sintoma, mas, conforme evolui, sintomas como dor, falta de sensibilidade no local, formigamentos e falta de força podem surgir). Isso o impossibilita de fazer longas caminhadas e se expor ao cansaço extremo.


Os riscos de um AVC ou infarto em pacientes portadores do diabetes após os 60 anos, aumentam em pelo menos 30%. A preocupação da equipe médica que acompanha Amazonino, é com a fadiga extrema que o político tem sentido, sequelas de pelo menos 2 diagnósticos de COVID-19 em menos de dois anos. Os efeitos da doença e suas sequelas ainda são desconhecidos.


Na convenção que oficializou a candidatura do político no final de julho, o médico particular que acompanha Amazonino Mendes diariamente, alertou parentes para o esforço extremo a que o político foi exposto. Após passar mais de uma hora em um ambiente fechado, sofrendo calor extremo, ele saiu exausto do local e precisou ser amparado por seguranças e apoiadores. Fontes próximas afirmaram que após o evento Amazonino chegou a passar mal no carro, reclamou muito do calor no local e da fadiga provocada pelo esforço a que foi submetido.


COMO SERÁ A CAMPANHA?


A assessoria de Amazonino tem procurado amenizar as críticas da imprensa a exposição do político em eventos onde ele já demonstrou sinais de fadiga extrema. Porém, o marketing da campanha desistiu de rebater as críticas e mostrar que ele tem condições físicas para isso, pois já ficou evidente que não há a menor condição do velho "Negão" enfrentar uma campanha física em sua plenitude.


Agora, seu marqueteiro aposta no slogan de campanha "Tá na cabeça e no coração", fazendo um apelo ao sentimento do eleitor pelo político. Amazonino tem afirmado que não precisa de pernas e sim de cabeça para governar o Amazonas. O comando da campanha viu os efeitos negativos disso. Amazonino que chegou a abrir mais de 10 pontos de vantagens para o atual governador Wilson Lima (União Brasil), viu esses números encolherem a cada semana vendo Wilson aumentar no retrovisor e agora já amarga o segundo lugar.


As tentativas da campanha de Amazonino em optar pelo ataque ao atual governador, não tem dado muito certo e ao que tudo indica, a ausência de Amazonino fisicamente na campanha, terá efeitos ainda piores.


Vamos aguardar o desenrolar dos fatos. Ainda tem muita água para rolar debaixo dessa ponte até o dia 02 de outubro.






Publicidade