• Redação

DNIT soube do risco de desabamento da ponte na BR-319 dois dias antes de tragédia


Manaus/AM - O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) foi notificado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) dois dias antes da tragédia na ponte sobre o Rio Curuçá, na BR-319, no Amazonas, mas a via permaneceu aberta e não foi sinalizada.


A ponte desabou na última quarta-feira (28) e segundo condutores, não havia placa de sinalização no local e nem monitoramento. Pelas condições precárias, a população passou a fazer protestos e a fotografar a estrutura esburacada para chamar a atenção das autoridades, mas os veículos continuaram atravessando até que a ponte caiu, deixando mortos, feridos e desaparecidos.


Conforme testemunhas, condutores estavam fazendo registros da situação da ponte quando houve o desabamento.


Segundo o Dnit, as pontes estavam submetidas a um plano contínuo de vistoria, assim como a que cedeu, e que uma empresa responsável pela revitalização do local já havia sido acionada.

Em nota, o Departamento explicou que a ponte desabou pelo peso das carretas. "Ressaltamos que havia, na quarta-feira (28), algumas carretas realizando protesto paradas sobre a ponte, o que causou sobrecarga na estrutura e resultou no desabamento", disse o Dnit.


*Holanda

Publicidade

Publicidade