• Redação

Criança com Down é estuprada pelo namorado da mãe ao sair de escola em Manaus


Manaus/AM – A Polícia Civil revelou, na manhã de hoje (21), detalhes da prisão de um homem de 45 anos suspeito de estuprar a enteada de 10 anos que tem Síndrome de Down.


Em entrevista coletiva, a delegada Joice Coelho contou que o acusado namora a mãe da menina há 4 anos e costumava dormir por dias na residência. Além disso, ele também buscava a criança na escola com frequência e ficava alguns momentos a sós com ela.

No último dia 26 de abril, a vítima, que tem dificuldades em falar e se expressar, chegou em casa chorando e reclamando de dores nas partes íntimas. Ao checar a menina, a mãe percebeu machucados que indicavam que ela havia sido estuprada.


A mulher procurou imediatamente uma delegacia e denunciou o caso. A princípio, o registro foi feito na Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai), pois a suspeita era que o abuso tivesse acontecido dentro da escola e pudesse ter sido praticado por algum colega da menina.


Porém, no decorrer das investigações essa hipótese foi descartada porque a garota conseguiu apontar quem foi o autor do abuso.


“No trabalho da equipe de psicólogas da especializada, nós conseguimos que a criança verbalizasse e apontasse a autoria do crime, indicando o padrasto.


Nesse sentido, foi verificado também que a criança ficava bastante constrangida na presença da genitora, que faz um esforço enorme para que a gente acredite que esse abuso aconteceu no interior da escola e não dentro de casa ou a caminho de casa”, destaca a delegada.


Para Joyce, a mãe prefere não acreditar que o namorado foi capaz de cometer o crime, mas todas as evidências apontam para ele. A delegada afirma que no dia do crime, foi o homem quem buscou a criança e na escuta especializada, ela o acusou diretamente.

A partir daí, a polícia pediu a prisão temporária do padrasto e continua com as investigações para saber se essa foi a primeira vez que o estupro ocorreu.


Vale destacar que além da vítima, a mulher tem outra filha mais velha, mas não há, até o momento, indícios de que ele tenha violentado a outra irmã.


Sobre as investigações na escola, a delegada ressalta ainda que chegou a ouvir gestores, professores e outras pessoas da instituição e teve acesso a todo o sistema de segurança para descartar que a menina tenha sofrido o abuso no local.


A vítima segue sob o acompanhamento psicológico pois apresenta sinais de traumas: “A partir do abuso, a criança apresentou regressões de comportamento, a criança apresenta choros compulsivos e tudo isso em decorrência do estupro”, afirma Joyce.


Holanda


Tom - Central de Jornalismo

Publicidade

Publicidade