top of page

Publicidade

  • Foto do escritorRedação

Confusão em sessão do TCE-AM


Josué se exaltou ao defender a atitude do ex-prefeito de Presidente Figueiredo Romero de Mendonça na contratação de artistas nacionais para a 28ª Festa do Cupuaçu, em 2018


O conselheiro do Tribunal de Contas (TCE) do Amazonas  Josué Neto levou “bronca” do presidente da Corte, Érico Desterro, pelo tratamento dispensando à subprocuradora do Ministério Público de Contas (MPC) Elissandra Monteiro Freire. Josué se exaltou ao defender a atitude do ex-prefeito de Presidente Figueiredo Romero de Mendonça na contratação de artistas nacionais para a 28ª Festa do Cupuaçu, em 2018. O contrato ultrapassou R$ 1,3 milhão e está sendo analisado pelo TCE.


Correções  -  O relator do processo é o conselheiro Mário de Mello, mas Josué pediu a palavra para, segundo ele, “corrigir” dados. Ele chegou a repreender Elissandra quanto à pronúncia de Eirunepé, citado por ela como exemplo de um processo similar julgado recentemente pelo TCE.


‘Se candidata’  -  Josué disse: “O Tribunal precisa entender o que é economia criativa, que é de função do poder público, assim como lazer e cultura [...] Fico impressionado com a afirmação (do MPC) de que se poderia ter colocado esses recursos em outras áreas. Então, a melhor forma de se falar sobre isso é sendo candidato a prefeito de lá”.


Falta água  -  Elissandra defendia que os gastos com shows são incoerentes “com uma boa gestão”, já que o município carece de serviços essenciais como educação, saúde e saneamento básico.


Desenvolvido  -  Josué argumentou que  Presidente Figueiredo é  uma das cidades mais desenvolvidas do Estado, mas em certo momento afirmou que  “desde a década de 80 sofre de desabastecimento de água”. Porém, argumentou: “Não é deixando de fazer um evento de lazer que vai resolver esse problema de abastecimento”.


Sem cabimento  -  Érico Desterro respaldou a tese do Ministério Público de Contas  (MPC): “Não tem cabimento o poder público gastar recursos com atividades dessa natureza. Atividades culturais podem ser feitas com recursos menores, principalmente se o município não apresenta um bom índice de desenvolvimento humano”.


Memória  -  Em outubro do ano passado, o TCE determinou o bloqueio dos bens do prefeito de Eirunepé, Raylan Barroso de Alencar, por ter descumprido decisão de não contratar, por inexigibilidade de licitação, artistas nacionais para o festejo de 128 anos do município com gastos de quase R$ 1 milhão.


Carnaval -  E ontem, durante Sessão Plenária na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o primeiro vice-presidente da Casa, deputado estadual Carlinhos Bessa (PV), defendeu a realização dos festejos de carnaval como oportunidade de geração de emprego e renda no interior.


Carnaval 2  - O discurso ocorreu após recomendação do MPC para a não realização de eventos municipais de carnaval, em 2023. “Não sou contra o MPC realizar essa recomendação, mas defendo que seja feita uma análise minuciosa de cada município, pois a recomendação não pode ser generalizada”, declarou o parlamentar.


Ramal  -  As famílias da comunidade do Uberê, no ramal do Brasileirinho, zona Leste, comemoraram a chegada do asfalto em um trecho da estrada, que vai viabilizar, em breve, o retorno do transporte coletivo na região. O trabalho foi realizado pela Seminf, por meio de requerimento do vereador Jander Lobato (PP).





Fonte: Acrítica

Publicidade

BANNER-CÂMARA-CIDADÃ---1500x200px-OK.gif
bottom of page