top of page

Publicidade

950x250-1 - banner samel.png
  • Redação

Alberto Neto e Plínio Valério continuam fiéis a Bolsonaro e minimizam ato em Brasília

O deputado federal Alberto Neto (Republicanos) e o senador Plínio Valério (PSDB) são os dois únicos parlamentares do Amazonas que se mantêm fiéis ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e votaram contra a intervenção federal na Segurança Pública do Distrito Federal (DF), decretada pelo presidente Lula (PT) após atos terroristas em Brasília no último domingo.


Plínio está entre os oito senadores do país que votaram contra a intervenção. Nas redes sociais, o tucano tentou justificar sua decisão dizendo que o ato de intervir no DF é inconstitucional e saiu em defesa dos presos, que estão sob custódia da Polícia Federal, os quais considera “pessoas inocentes e devem ser liberadas”.


O ex-vice-líder do governo Bolsonaro, Alberto Neto, se pronunciou, nas redes sociais após a manifestação do ex-presidente, repudiando as manifestações violentas, mas disse ser preciso intensificar as cobranças, principalmente sobre o Senado, porém com “manifestações pacíficas”. À imprensa, ele disse não ser necessário a intervenção federal.


Outros bolsonaristas como Delegado Pablo (UB) e Silas Câmara (Republicanos) evitaram falar da intervenção federal em suas redes sociais. No twitter, Pablo criticou manifestações, mas destacou que “todo poder emana do povo” e que a Constituição Federal ampara a livre e pacífica expressão de ideias e convicções.


Silas lamentou os atos e disse que a bancada do seu partido, o Republicanos, não compactua com manifestações que ultrapassem os limites da democracia.


Favoráveis à intervenção federal

Os deputados federais Bosco Saraiva (Solidariedade), José Ricardo (PT), Marcelo Ramos, Sidney Leite e Átila Lins, estes do PSD, foram favoráveis à intervenção e condenaram os atos terroristas na capital federal.


Os senadores Eduardo Braga (MDB) e Omar Aziz (PSD), que tiveram o apoio de Lula na eleição de 2022, ajudaram a manter o decreto presidencial.Fausto calado

Outro apoiador do ex-presidente, o deputado federal eleito Fausto Jr. (UB), que é assíduo às redes sociais com posts em defesa de Bolsonaro e com duras críticas a Lula, diante das manifestações golpistas adotou o silêncio.


A última publicação dele foi no dia 7 de janeiro, quando fez uma “previsão” dos próximos quatro anos da gestão petista.


Bancada federal eleita

Diferente de Fausto, outros deputados federais eleitos se posicionaram. Amom Mandel (Cidadania) evitou chamar os bolsonaristas de terroristas e disse ser contra ato de vandalismo e violência, além de fazer um apelo aos seguidores para desestimular os conhecidos a se envolverem no radicalismo. Adail Filho (Republicanos) e Saullo Vianna (UB) repudiaram os antidemocráticos e pediram a responsabilização dos golpistas.


Toda Hora

Publicidade

950x250-1 - banner samel.png
bottom of page